Notícias

O bacalhau 500 milhões está pronto para viajar para Portugal. E vai por mar

É do género graúdo. Tem cerca de três quilos e foi capturado nos mares do Norte da Noruega entre Fevereiro e Abril deste ano. Teve três meses de seca e salga. Nesta sexta-feira segue para Portugal por mar. Sim, estamos a falar de um bacalhau. Mas não é um bacalhau qualquer. É o espécime 500 milhões que a Noruega exporta para Portugal.

A Norge, Conselho Norueguês da Pesca, que reúne os exportadores de peixe do país, quis assinalar os 70 anos de exportação regular de bacalhau para Portugal. Fez as contas e chegou a este número impressionante.

O método de cálculo foi simples. Foi aos registos onde tem todas as exportações feitas para Portugal desde 1946 e dividiu a tonelagem registada pelo peso médio dos bacalhaus. Esse peso era de 1,5 quilos até 1995, no ano seguinte subiu para 1,7 quilos e está agora nos 1,9 quilos.

Na verdade, este não é exactamente o bacalhau 500 milhões, confessam os exportadores; é, mais precisamente, o 508.399.822. Mas, para assinalar a data, arredondou-se número.

A viagem do bacalhau para Portugal começou nesta quinta-feira em Bergen, a segunda cidade da Noruega, com pompa e circunstância. O peixe foi entregue por um membro da direcção da Associação de Chefs da Noruega, Kristine Ounebo, ao capitão de um dos mais emblemáticos navios do país, o veleiro centenário Statsraad Lehmkuhl, numa cerimónia promocional.

O veleiro, que hoje funciona como navio-escola, parte nesta sexta-feira para Lisboa, onde chega no final de Julho. Nessa altura, o bacalhau 500 milhões será festejado em Portugal, numa cerimónia cujos contornos ainda não foram revelados.

“Mais bacalhau do que salmão”

Entre portugueses e noruegueses, falar de bacalhau é falar de algo muito sério. Para nós, porque o consumimos em quantidades como em mais nenhum país no mundo. Para os noruegueses, porque se trata de um importante negócio.

Só no ano passado, Portugal importou cerca de 35.500 toneladas de bacalhau, sendo que cerca de 70% (24.848 toneladas) veio da Noruega, num negócio que valeu para o país dos fiordes cerca de 180 milhões de euros.

Portugal é o único país da Europa “que consome mais bacalhau do que salmão”, revela Johnny Thomassem, director da Norge e que há vários anos reside em Portugal.

Outro exemplo que dá sobre a importância do peixe para os dois países é o facto de as vendas de salmão para Portugal representarem 0,3% das exportações totais da Noruega. Já as vendas de bacalhau para o nosso país rondam um terço do total exportações.

Johnny Thomassem deixa uma garantia aos portugueses: “Graças às práticas sustentáveis que levamos a cabo, o bacalhau não vai faltar durante muitos e muitos anos.”

O PÚBLICO viajou para Bergen a convite do Conselho Norueguês da Pesca

Fonte: Publico