Notícias

Milhares nas praias sem vigilância

Um nadador-salvador para quase 30 quilómetros de praias cheias – e que apenas foi chamado ao serviço após um jovem de 21 anos quase perder a vida com um mergulho no mar. Esta foi a realidade com que milhares de banhistas depararam ontem nas praias da Península de Setúbal – e no resto do País, também não há vigilância. Apesar das temperaturas altas, a época balnear ainda não abriu na costa portuguesa. Apenas algumas praias do concelho de Cascais têm nadadores-salvadores – a época abriu no dia 1. Passavam poucos minutos das 09h00 quando o alerta chegou ao 112. Um jovem de 21 anos estava inconsciente e em paragem cardiorrespiratória na sequência de um mergulho na praia de São João, na Caparica (Almada). O INEM foi chamado e, após “mais de meia hora de manobras de reanimação”, a vítima foi levada para o hospital. O acidente ocorreu em frente ao bar Bicho de Água e pouco depois o gerente do concessionário chamou o nadador-salvador que habitualmente ali trabalha. Apesar de não estar obrigado por lei, contratou o vigilante por um dia. Mas foi o único, tal como o CM constatou, da Trafaria à Lagoa de Albufeira. “Deveria haver um plano de contingência para estes dias, em que, a partir dos alertas meteorológicos e da previsão de haver praias cheias, o Instituto de Socorros a Náufragos obrigasse à colocação de nadadores-salvadores nas praias”, conta um amigo do nadador-salvador de S. João. Um dos concessionários instalados na praia garantiu ontem ao CM que hoje já terá nadadores de serviço. “Será uma semana de muito calor e esta praia tem muitas crianças. Até agora não contratámos ninguém porque o tempo está muito instável”, explicou ao CM Vítor Cerqueira, responsável pelo bar Kontiki. A época balnear é definida por cada município.

Fonte: Correio da Manhã