Notícias

Maré viva varre costa alentejana e leva praia fluvial de Odeceixe

Odeceixe foi uma das praias mais castigadas pela forte ondulação que se fez sentir em toda a costa ocidental do Algarve, nos últimos dias. O mar, com ondas de quatro metros, varreu o areal de uma ponta a outra e levou uma parte significativa dos inertes, artificialmente colocados no Verão passado para dar mais espaço aos banhistas. Nesta quarta-feira, tudo voltou à normalidade: enquanto caía neve na serra da Estrela, no Algarve os turistas atiravam-se ao mar, com a água a 20 graus – quase à mesma temperatura do ar.

O vice-presidente da Câmara de Aljezur, José Gonçalves, foi ver o que restava da intervenção feita pela Sociedade Polis Litoral do Sudoeste Alentejano na praia de Odeceixe. “Nada de especial, isto faz parte da dinâmica costeira”, comentou. Depois da tempestade, volta o lazer e, na praia já recomposta, um casal de estrangeiros praticava o ioga, fazendo “saudações ao sol”.

O autarca, em declarações ao PÚBLICO, defende a necessidade de dar continuidade ao projecto de requalificação de Odeceixe e completar a intervenção na praia, construindo paliçadas e um passadiço para ajudar a reconstruir a duna. A dúvida, acrescentou, está em saber qual a melhor altura para fazer as obras: “O Inverno ainda só agora começou, não sabemos o que está para vir.”

O que se passou na costa vicentina, diz o presidente da Administração Hidrográfica do Algarve (ARH), Sebastião Teixeira, foi uma “situação normal, embora pouco frequente”. A forte ondulação coincidiu com uma maré de águas vivas e isso fez com que uma parte das recargas de areias tenha desaparecido. O areal de Odeceixe emagreceu quase um metro. Um outro caso de destruição foi o que se passou na praia Dona Ana, em Lagos – uma obra que gerou muita polémica por causa da artificialização de uma das praias mais bonitas da região. “Temos de deixar o mar fazer o seu trabalho”, observa Sebastião Teixeira, adiantando que foi calculada uma sobrecarga de 15% a 25% de areia para antecipar o seu desaparecimento no primeiro Inverno após a intervenção. Por outro lado, adiantou, a praia também deverá rodar 5 a 10 graus no sentido do ponteiro dos relógios, de modo a que o leixão que foi construído fique dentro de água.

Em Odeceixe, António Filipe, engenheiro químico, reformado, é dos veraneantes habituais. “Conheço esta praia há 52 anos e assisti às muitas transformações que sofreu.” Por isso não ficou surpreendido por ver o mar galgar a praia e chegar até ao rio. A praia fluvial, criada artificialmente no último Verão, escorregou para o leito da ribeira. No passado, disse, “já existiu ali praia, depois desapareceu”. O ecossistema tem vindo a sofrer alterações que não se explicam apenas pela erosão marítima. Antes das plantações dos eucaliptos na serra de Monchique, observou este engenheiro, chegava grande quantidade de água à ribeira e isso deixou de acontecer, tendo consequências a vários níveis. “Ainda conheci arrozais, plantados aqui nesta várzea”, exemplificou.

O vice-presidente da câmara promete lutar para voltar a repor a praia fluvial. “Queremos ter no próximo ano duas bandeiras azuis nesta praia, uma do lado do mar e outra do rio.” O director da ARH promete que as obras de requalificação desta zona balnear vão ser retomadas até final do ano. E o mau tempo? “Pois é sempre um risco, mas não se pode fazer no Verão.”

Fonte: Publico